ColunistasHelena ArantesSaúde

Dra Helena – Psicóloga psicoterapeuta

Quando há divergências entre pai e mãe com relação aos limites dados aos filhos o que acontece?

Sempre deve haver entre os pais um acordo, uma conversa a respeito do que querem para os filhos. Nem sempre todo mundo é informado, de maneira adequada, a respeito de limites. Às vezes, um pai ou uma mãe divergem com relação ao limite dado pelo filho, por causa da educação que receberam.Por exemplo ,o pai pode achar que o seu pai foi muito rígido e ele não quer ser com seu filho como seu pai foi com ele.
A melhor coisa a fazer é, antes de definir alguma coisa, os pais saírem juntos e sozinhos, para conversar, conversar. E lembrar que não podemos tentar repetir na vida dos nossos filhos a nossa própria vida. O tempo e a sociedade hoje são diferentes do que eram há cinco, quinze e cinquenta anos. Hoje, uma pessoa sem limite se torna presa fácil do traficante, do psicopata. Se abrirmos os jornais, vamos entender do que estou falando.
O limite é uma maneira técnica, digna, de crianças poderem perceber que precisam ser cuidadas por gente que gosta delas. Se os pais divergem, é hora de não fazer nada, parar um pouco de tentar e conversar até chegar a um acordo. Se não conseguirem sozinhos, peçam ajuda para uma pessoa, para um profissional, para que compreendam onde está a divergência.
Ás vezes, a divergência está no medo de fazer alguma coisa com o filho que foi feita com eles ou de repetir alguma coisa que acham que foi ruim. A melhor maneira de resolver isso é o diálogo.
O limite não é um ato agressivo. O limite é a imposição, ao filho, do desejo dos pais. Imaginemos um filho com seis anos. Ele precisa tomar banho e alguém tem de cuidar disso. Quando ele não quer tomar banho, vai reagir com birra. Essa reação não deve ser vista como agressividade, é apenas uma demonstração de frustração. Ele quer assistir desenho na TV, mas alguém o levou para tomar banho. Isso nunca traz seqüelas negativas. O que pode prejudicar o desenvolvimento psicológico é o excesso de explicações. A criança sente que a mãe ou quem esta com a tarefa de cuidar, está pedindo permissão. Quando temos que pedir licença para amar nossos filhos é porque não os amamos.


Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de Anúncios Detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios